Páginas

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

On The Brightside


Eu sempre procurei olhar o lado positivo das coisas e pensar que há, sim, algo bom na vida. Nem que esteja no fundo do fundo do coração, todo mundo tem uma parte especial dentro de si. Mas ultimamente ando tão cansada e com tantos problemas juntos que só de olhar para a minha ferida, ela sangra como se tivesse acabado de ser feita. E isso não é nada positivo, porque me deixa numa montanha-russa de emoções que me deixa exausta. Em um dia estou lá no topo e no outro, de cabeça para baixo, bem no meio do loop.
Sou uma grande fã de quem consegue ser diariamente feliz, gente que não deixa a peteca cair por nada, que ri diante do apocalipse e, sinceramente, sempre quis ser do tipo que não liga, que não sofre, que pratica o desapego. Mas o que esperar de uma geminiana, bipolar e claustrofóbica? Uma eterna apaixonada por tudo o que não presta, por tudo que não a quer? Sou um desastre natural, mas até as maiores abominações da Terra tem lá seu charme. Sei que está na hora deste passarinho pegar suas asas quebradas e aprender a voar, antes que o tempo passe e eu desaprenda de como se vive. Talvez quando eu nasci um anjo torto, desses que vivem nas sombras disse: vai, Tanara, vai ser gauche na vida! E, por mais errado que isso tenha me soado, eu fui.
Estranho parecer que, constantemente escrevo sobre meu passado e raramente sobre meu futuro não tão brilhante, mas meu passado está diretamente ligado ao meu presente, ao que restou de mim. É típico, a menina bochechuda com carinha de boneca que se apaixona pelo cara bonitinho que diz que ela é linda, mas que nunca bastou. É um ciclo vicioso. Talvez saiba que sou, sim, uma menina bonita, interessante, inteligente e com gosto de biscoito, só não soube escolher bem o acompanhamento ou meu leite azedou, porém, eu não queria uma vida completamente doce, mesmo. Só não sei o que faço por aqui onde as horas não passam, por aqui onde tudo é tão estranho, por aqui onde eu não existo.
E nem me lembro desde quando passei a me esquecer. Só lembro que tudo o que tenho feito, dito ou pensado se reflete no meu turbilhão inefável de emoções, que me dominam, que me completam, que me consomem, que me fazem exatamente como sou: caleidoscópica.

Um comentário:

  1. Não pode ser negativa amiga. Se prender ao passado faz mal. Levante a cabeça e perceba que o mundo não é só isso que você está acostumada. Talvez, se você conhecer coisas novas, querer que essas coisas entrem na sua vida, tudo mude. Saiba que estou ao teu lado. Apesar da distancia não quero estar ausente na sua vida. Te amo MUITO <3

    ResponderExcluir