Páginas

sábado, 22 de maio de 2010

Banho de chuva


Alguém sabe o real significado da palavra saudade? O dicionário define como "lembrança nostálgica e, ao mesmo tempo, suave, de pessoas ou coisas extintas, acompanhado do desejo de tornar a vê-las e/ou possui-las", mas seria só isso?
Quem não tem saudades da infância, dos pais, do cobertor, do amor ou dos amigos que moram longe?
Querer de volta não é pecado, precisar ver de novo, tocar de novo não é idiotice, é só saudade. E que palavra bonita essa, que só existe em português e que é sempre singular pra quem sente.
Eu sinto saudade. Saudade da minha vida, dos meus amigos, dos meus pais, do meu "sem definição atual". Mas mais nostálgico do que isso, só a imensa falta que eu sinto de mim mesma. Daquela Tanara meio baixinha, de aparelho nos dentes, vestida quase como um menino. A que andava de skate sem ter medo dos machucados, comia qualquer coisa sem se preocupar com a balança, só tinha amigos meninos, andava sempre com eles e ninguém olhava com aquela cara de "já pegou quantos dessa rodinha?".
Acho que todo mundo tem saudades de si, ainda que goste da sua face atual. E não é errado querer ter onze anos de novo só pra se esconder no armário e assustar quem passa ou apertar uma campainha e sair correndo de vez em quando. Coisas que já não nos permitem, porque estamos velhos demais, cansados demais, ocupados demais, limitados demais.
Por que sou chamada de louca pelo simples fato de adorar banho de chuva, comer balas de banana ou dançar na rua ás vezes? O que me impede? O que TE impede de fazer o mesmo?
Vai pra galera, meu filho! Dê o seu mosh interior no que te limita! Bora ser feliz sem se importar com quem te olha feio, diz que tá errado ou pensa mal de você! Quem te criticca, no fundo admira a sua coragem de se expressar, de não se importar, de viver.
Quando a gente é criança, acha tudo lindo, faz o que dá vontade sem pensar nas consequências. Tudo bem crescermos, não acharmos mais tudo lindo, termos vontades que não podem MESMO virarem realidade, pensarmos bem no próximo passo e acordarmos de ressaca, crescer também tem seus reveses.
Agora, meu querido, vai mesmo passar o resto da vida acordando Tavares (as três da tarde, com sono e mal humorado)?
Transcende, criatura, transcende!

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Isso tem que ter fim.



Essa semana um deputado sancionou, covardemente, uma lei que permite a tortura de animais em rituais religiosos.
Sabendo que não seria totalmente apoiado, colocou o projeto em votação sem avisar a ninguém, sendo assim, nenhum grupo ou sociedade protetora dos animais pôde comparecer para impedir que essa atrocidade acontecesse.
Daí então surge-me a duvida? Alguém não acharia um absurdo torturar seres humanos nesses mesmo rituais? Se lhe parece tão absurdo, por que com animais é diferente? Eles sentem o mesmo que nós. O mesmo carinho, o mesmo afeto que temos um pelo outro eles sentem também, assim como a mesma dor.
Maltratar um animal é a maior forma de covardia, pois eles não podem se defender, eles não tem a mesma capacidade de raciocínio que nós, mas sentem as mesmas coisas.
*90% dos psicopatas tem histórico de maus tratos aos animais.
*os vegetarianos salvam 95 vidas por ano.
*"a grandeza de uma nação pode ser julgada pelo modo como tratam seus animais." (Ghandi)

Pensem nisso, e assinem, façam parte de um mundo melhor.

http://www.leideprotecaoanimal.com.br/?page_

Não deixe a Mágia Morrer




Sonhos talvez sejam coisas já esquecidas para a maioria das pessoas, mas não para mim. Eu sonho, eu desejo e preciso disso para viver.
Algumas pessoas acham meus sonhos e desejos já antiquados para a minha idade, afinal tenho 15 anos e não sou a típica adolescente da minha idade que faz listas das aventuras que quer viver, que conversa futilidades enquanto ouve a Gaiola das Popozudas, que beija garotos por esporte, que não quer se envolver. Eu sonho sonho viver um grande amor, em me apaixonar pelo homem dos meus sonhos, mandar fazer um vestido lindo, sob medida, ir á uma festa onde as músicas não sejam apenas barulho ou letras de promiscuidade.
Eu sonho em entrar na festa de braços dados com um rapaz bem vestido, esperar pela bebida que ele foi buscar, dançar as mais belas composições de rosto colado ao mesmo tempo em que sinto seus pés me conduzirem no leve e doce balanço da canção que, talvez um dia, seja a trilha sonora do nosso romance. Não quero que o beijo seja desimportante ou com qualquer um, apenas para dizer que beijei alguém. Quero que seja perfeito como o amor, num lugar lindo, talvez embaixo de um poste de luz com defeito, iluminado pela luz do luar.
Eu ainda não encontrei esse garoto, que viverá comigo o sonho antiquado do conto de fadas, mas não canso de procurar, pois ainda que viva só em mim, não vou deixar essa mágica morrer.




Eu sou uma princesa perdida no mundo real e ainda nem me dei conta de que os contos de fadas não existem. Estou sentada na minha sala, sozinha. Sempre com o coração na mão, pensando no próximo passo que nunca será dado.
Nada tenho a ver com não gostar de mim, me aceito impura, me gosto com pecados e há muito já me perdoei. Tampouco gosto que me idealizem ou tentem me advinhar, sou imprevisível.
Acredito piamente na teoria do balde e tenho o estranho dom de ver uma "luz" nas poucas pessoas que me encantam.
Costumo sempre errar ao menos uma vez quando me apaixono, para depois me arrpender e voltar atrás.
Não sou normal, mas gosto de lasanha, sorvete e carinho como todo o mundo. Tenho lá minhas pretenções, mas só tive um grande amor e sempre que bebo intensifico as coisas simples. Costumo ser mal educada, antepática e indiferente com as pessoas que não "acendem a luzinha", mas me mostro inteira para quem se ilumina aos meus olhos. Tenho juízo, mas não faço tudo certo, sou intensa, mas me desapego muito fácil (tirando é claro, aquela minha eterna excessão). Não sou de correr atrás de ninguém e nem de fazer muita questão, mas quando gosto, vira um desafio pessoal.Deixo claro que não tenho necessidade vital de ninguém (ta, eu tenho sim, mas de poucas pessoas) e me viro muito bem sozinha, só não gostaria. Afinal, o céu é sempre mais escuro antes do amanhecer.