Páginas

quarta-feira, 19 de maio de 2010





Eu sou uma princesa perdida no mundo real e ainda nem me dei conta de que os contos de fadas não existem. Estou sentada na minha sala, sozinha. Sempre com o coração na mão, pensando no próximo passo que nunca será dado.
Nada tenho a ver com não gostar de mim, me aceito impura, me gosto com pecados e há muito já me perdoei. Tampouco gosto que me idealizem ou tentem me advinhar, sou imprevisível.
Acredito piamente na teoria do balde e tenho o estranho dom de ver uma "luz" nas poucas pessoas que me encantam.
Costumo sempre errar ao menos uma vez quando me apaixono, para depois me arrpender e voltar atrás.
Não sou normal, mas gosto de lasanha, sorvete e carinho como todo o mundo. Tenho lá minhas pretenções, mas só tive um grande amor e sempre que bebo intensifico as coisas simples. Costumo ser mal educada, antepática e indiferente com as pessoas que não "acendem a luzinha", mas me mostro inteira para quem se ilumina aos meus olhos. Tenho juízo, mas não faço tudo certo, sou intensa, mas me desapego muito fácil (tirando é claro, aquela minha eterna excessão). Não sou de correr atrás de ninguém e nem de fazer muita questão, mas quando gosto, vira um desafio pessoal.Deixo claro que não tenho necessidade vital de ninguém (ta, eu tenho sim, mas de poucas pessoas) e me viro muito bem sozinha, só não gostaria. Afinal, o céu é sempre mais escuro antes do amanhecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário