Páginas

segunda-feira, 25 de julho de 2011

A cor dos olhos.


Hoje eu acordei inteira. Sem meios termos, sem muletas ou cadeiras de rodas, sem falsos apoios, não precisando me escorar em nada para sobreviver. Hoje sou toda minha e me basto, me fortifico, sou-me suficiente e já bastante acompanhada de mim mesma.
Queimei meus medos e fraquezas e, mais uma vez, renasci forte, capaz, destemida. Não sinto-me mais só, porque tenho a mim, não necessito de compania porque percebo-me geminiana, doble face, uma faz compania a outra sem entrarem em conflito dentro de mim, sem brigas, apenas complementos.
Deixei muitas coisas para trás desde ontem, o dia "D" para mais uma decepção que passei e que por menor e mais desimportante que tenha sido, feriu meu orgulho feminino como a gilettejamento da noite.
Nada que vá deixar danos permanentes, apenas alguns arranhões em meu ego, um tropeção momentâneo.
Hoje me recebo de braços abertos, com um buquê de flores na mão, voltei á sanidade. Meus dias de retiro espiritual forçado me ensinaram a ver beleza quase á força, em quase tudo.
Tive altos e baixos dignos dos romances que quero escrever algum dia. Eu quease morri, quase perdi entes queridos, quase enlouqueci, quase me apaixonei por outro canalha. Graças ao meu santo - que se prova mais forte a cada dia - nenhuma das minhas tentativas se realizou. E tudo isso só me ensinou boas lições. Aprendi que o passado segue em frente, mesmo que venha me assombrar as vezes; aprendi que amor de verdade é aquele que permanece independente de tudo e que por melhor e mais maravilhosa que uma pessoa seja, podemos ama-la sem se apaixonar por ela.
Aprendi que o caminho até o castelo do principe é um imenso brejo com infinitos sapos á nossa disposição, mas temos que aprender a escolher por quem vale á pena se arriscar.
Ouvi bons conselhos de boas e más pessoas que são e sempre serão a imagem escarrada do "nada é tão ruim que não possa piorar" e entendi a única regra que deve ser seguida nessa vida: carpe diem.
Hoje vou embora de alma lavada, espirito livre e mente em equilibrio. Sou jovem, interessante e sedenta de conhecimento, renovada e renovante, fecho o ciclo de mais momentos na minha vida sentada na grama, sendo abençoada pelo confortável sol do inverno e frente á contemplação de uma paisagem tão absurdamente linda que só me faz querer dançar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário