Páginas

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

The heart never lie.


Na minha mente eu sempre tenho você, as lembranças dos seus olhos nos meus refletindo o sentimento mútuo que nos invade sempre que estamos juntos.
Seus pensamentos já me enganaram muitas vezes e seus olhos amarelos já evitaram os meus, que sempre te descobrem, tantas outras, mas meu amor, o coração nunca mente.
Tantas vezes já chorei a plenos pulmões, ante todos ao meu redor e tantas outras já me sufoquei em um banheiro qualquer, envergonhada pela minha insistência em te amar tanto.
Quem corre atrás porque quer, nunca cansa e por mais confuso que seja para você me amar, quando seus olhos fecham antes dos meus perante seu coração acelerado, eu tenha uma única certeza na vida: é recíproco.
Tanto tempo já passou, tantos beijos, tantos abraços, tantas madrugadas ébrias entre nossas lágrimas - mais minhas do que suas - e o cansaço jamais bateu á minha porta. Talvez seja seu sorriso lindo, suas palavras medidas ou o ponto de luz que sempre vejo sobre seu ombro esquerdo que não me deixaram te esquecer.
São as palavras nunca ditas e as ofensas que você tanto mereceu ouvir quando tudo o que eu conseguia era chorar. É a nossa vida, minha maturidade completando suas brincadeiras, meu senso de direção ante suas aventuras que hoje já não me parecem mais tão vís e dissolutas como antes. Eu te esperei todos estes meses junto á dvd's que assistimos juntos, minha coleção de meias-calças e suas palavras nem sempre tão gentis.
Ás vezes paro para pensar no quanto o destino é calculista: e se eu não tivesse iso á padaria naquela noite de verão?
Provavelmente não teria sofrido tanto, tampouco crescido tanto, amado tanto, não teria sido tão feliz.
E nesse meio tempo a gente vai por aí se completando e escrevendo pelas nossas linhas que se não fossem tão tortas, nunca teriam se cruzado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário