Páginas

domingo, 4 de julho de 2010

Cólica e saudade


Acordei as 11h e 30minno domingo - um milagre divino. Olhei para o lado e vi uma das minhas (duas) melhores amigas dormindo como um anjo. E pensar que daqui a quatro dias estarei completamente só me fez lembrar, mais uma vez, de você. Ver a Diza dormindo foi quase como acordar e te ter entrando pela porta do meu quarto todo molhado, com uma toalha na cintura e um cabelo de porco-espinho só para me fazer rir. Foi o devaneio mais acolhedor que tive nos últimos dias, uma lembrança boa salva no meio de tanta mágoa.
Ver meu melhor amigo esta tarde quase te trouxe junto, só em presença; e o abraço de despedida que dei nele e que tanto me fez chorar, me fez chorar como se abraçasse você.
Sentir-se sozinha é tão profundamente triste que chega a me cansar, como se eu carregasse sobre minhas frágeis costelas, o peso do mundo. Onde é que você estava quando eu tanto precisei? Quem te desfrutava enquanto a solidão desfrutava de mim? Meu amor, meu Don Juan barato, que tanto me faz querer te odiar sem sucesso, o que você quer de mim?
Há tempos o meu acordar sozinha se torna mais escuro, menos esperançoso e é na sua ausência, que tanto me dói, que eu acordo sentindo as duas piores coisas no mundo: cólica e saudade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário